03/01-SANTA GENOVEVA

A França dedica grande devoção a Santa Genoveva, invocada nas horas de perseguição e de calamidades. A menina nasceu perto de Paris, no ano 422, numa família muito humilde e modesta. Aos seis anos, um bispo cristão profetizou que a menina iria ser uma grande testemunha da fé cristã. 

Aos 15 anos Genoveva fez voto de castidade, atuava religiosa e socialmente a partir de suas próprias casas. Sua história como protetora da França tem dois episódios significativos e sempre citados: a resistência aos hunos e o auxílio dos moradores do campo à cidade que vivia na penúria.

No primeiro episódio Genoveva convenceu o povo de Paris a não abandonar a cidade e enfrentar a invasão dos hunos. No outro, durante uma carestia, Genoveva convenceu os camponeses a auxiliar o povo das cidades com doação de alimentos. Estes fatos fazem de Genoveva uma santa muito conhecida e amada na França.

Morreu por volta do ano 502, com cerca de oitenta anos. Santa Genoveva é a padroeira da cidade de Paris. 

02/01-SÃO BASÍLIO MAGNO

Basílio nasceu na Capadócia no ano 329. Pertencia a uma família de santos. O jovem estudou em Atenas e Constantinopla e foi sua irmã, Macrina, que o levou para a vida religiosa. Após fecunda experiência de vida com os monges do deserto, Basílio escreveu suas famosas “Constituições”, primeira Regra de vida espiritual destinada aos religiosos e referência para toda a vida religiosa posterior. 

Seu jeito de pregar encantava cristãos e judeus. Era tão admirado que recebeu a alcunha de “Magno”, ou seja, era um grande pregador e evangelizador. Basílio mantinha uma intensa atividade em favor dos pobres. Doava tudo o que ganhava à eles. Foi o primeiro bispo a fundar um hospital para aos carentes e depois criou asilos e orfanatos.

Seus sermões são repletos de citações da Sagrada Escritura. Escreveu seus textos de maneira agradável, clara, profunda e convincente. Muito belas são suas cartas, cerca de quatrocentas, que nos inspiram gestos e palavras de amor pelo próximo. Trabalhava e escrevia sem cessar, apesar da saúde débil. Sofrendo de hepatite, quase não podia se alimentar, a ponto de sua pele tocar os ossos.

Morreu dia 01 de janeiro de 379, com apenas quarenta e nove anos. 

01/01-SÃO FULGÊNCIO

Fulgêncio nasceu em Cartago, na África, no ano 465. Nasceu numa rica família cristã. Seu pai era um senador romano e a mãe era de uma família local influente. Teve uma formação intelectual excelente, com caráter firme, espírito de liderança e habilidade para os negócios. Interessava-se pela religião, pelas artes e literatura. Freqüentava um mosteiro perto de sua casa, onde conheceu os livros de santo Agostinho e decidiu-se pela vida de sobriedade e solidão. 

Tentou morar entre os monges do deserto no Egito, mas acabou desistindo. Foi na sua própria cidade onde se tornou padre. Em segredo, por causa das perseguições, tornou-se bispo da diocese de Ruspe. Mas o notícia de novos bispos chegou aos ouvidos do rei e este exilou sessenta homens na ilha de Sardenha, entre eles o jovem Fulgêncio.

No exílio Fulgêncio tornou-se um líder e sua influência fez com que o rei o recebesse de volta na pátria. Fulgêncio pôs-se na luta contra os hereges arianos, escrevendo muitas obras e mantendo vasta correspondência com amigos e discípulos.

Morreu no dia primeiro de janeiro de 533, aos sessenta e oito anos, pregando a caridade como “o caminho que conduz ao céu”.

31/12-SÃO SILVESTRE

O primeiro papa a ocupar a cátedra de Pedro após a conversão de Constantino foi Silvestre. Ele era romano e foi eleito em 314. Graças a Silvestre, a paz foi mantida na Igreja e o primeiro concílio foi convocado, para acontecer no cidade de Nicéia.

Silvestre já era muito idoso e foi representado no Concílio por dois representantes. Como havia harmonia entre Papa e Constantino, a Igreja conseguiu bons resultados, e recebeu um forte apoio financeiro para a construção de valiosos edifícios eclesiásticos, construções que marcaram o pontificado de Silvestre.

Também por causa de Silvestre, Constantino patrocinou à Igreja um ato histórico e de muita relevância para a Humanidade e o Catolicismo: doou seu próprio palácio para servir de moradia para os Papas, e toda a cidade de Roma e algumas outras vizinhas para a Igreja.

São Silvestre morreu em 335, depois de ter permanecido no Trono de Pedro durante vinte e um anos, e produzido tantos e bons frutos para o Cristianismo.

30/12-SAGRADA FAMÍLIA

Quando Deus quis, no seu amor, enviar seu Filho para morar entre nós, Ele escolheu uma família para receber Verbo Divino. Com isso Deus marcou com maior dignidade a família humana e mostrou que esta instituição é essencial para o desenvolvimento da pessoa.

A família de Nazaré tornou-se assim o modelo para as famílias cristãs do mundo. A bondade de Maria e a justiça de José deveriam ser as virtudes procuradas pelos pais e mães de família. Em Nazaré, Jesus aprendeu a andar, correr, brincar, comer, rezar, cresceu, estudou, foi aprendiz e auxiliar de seu pai adotivo José, a quem amava muito e por ele era muito amado também.

Jesus nasceu numa verdadeira família para receber tudo o que necessitava para crescer e viver, mesmo sendo muito pobre. Teve o amor dos pais unidos pela religião, trabalhadores honrados, solidários com a comunidade, conscientes e responsáveis por sua formação escolar, cívica, religiosa e profissional.

Essa família é o modelo de todos os tempos. É exemplar para toda a sociedade, especialmente nos dias de hoje, tão atormentada por divórcios e separações de tantos casais, com filhos desajustados e todos infelizes. A família deve ser criada no amor, na compreensão, no diálogo, com consciência que haverá momentos difíceis e crises.

29/12-SÃO TOMÁS BECKET

Tomás Becket nasceu no dia 21 de dezembro de 1118, em Londres. Era amigo do futuro rei, Henrique e como ele era um jovem ambicioso, audacioso, gostava das diversões com belas mulheres, das caçadas e das disputas perigosas. Compartilharam os belos anos da adolescência e da juventude.

Mas Tomás começou a interessar-se pela vida religiosa e afastou-se da corte. Passou a se dedicar ao estudo da doutrina cristã e acabou se tornando amigo do Arcebispo Teobaldo. Através de sua orientação foi se entregando à fé de tal modo que foi nomeado Arcediácono do religioso. Quando o Arcebispo Teobaldo morreu e o Papa concedeu o privilégio ao rei escolher e nomear o sucessor. Henrique II não vacilou em colocar no cargo o amigo.

Como Arcebispo, Tomás passou a questinoar as posturas autoritárias do amigo, agora rei da Inglaterra. A situação ficou perigosa e Tomás teve que fugir para a França para escapar de sua ira.

Quando conseguiui voltar para sua diocese foi aclamado pelos fiéis que o respeitavam e amavam sua integridade de homem e pastor do Senhor. Mas ele sabia o que lhe esperava e disse a todos: “Voltei para morrer no meio de vós”. O rei, diante do retorno de Tomás, resolveu mandar assassiná-lo. Assim aconteceu no dia 29 de dezembro de 1170.

24/12-SANTA TARSILA

Tarsila era tia de Gregório Magno, um dos grandes papas da história. Sua influência na vida de seu sobrinho foi essencial. Dela saíram grandes lições de caridade e justiça. As grandes companheiras de Tarsila eram suas irmãs, Emiliana e Jordana.

Tarsila e Emiliana eram muito unidas, pelo fervor da fé em Cristo e pela caridade. Viviam juntas na casa herdada do pai, como se estivessem num mosteiro.Tarsila orientava a casa, auxiliada pela Palavra do Evangelho, pelo exemplo da caridade e da castidade. Dessa maneira os progressos na vida espiritual foram grandes.

Tarsila permaneceu com a opção de vida religiosa que havia escolhido. Sempre feliz, na paz do seu retiro e na entrega de seu amor a Deus, até que foi ao Seu encontro na glória de Cristo. A tradição conta que Tarsila ouviu, na hora da morte, uma frase consoladora: “Vem, que eu haverei de te receber nestas moradas de Luz”. Imediatamente pediu para que todos se afastassem dizendo: “Está chegado Jesus, meu Salvador!”.

23/12-SÃO JOÃO CÂNCIO

João Câncio era polonês, nasceu em 23 de junho 1390, no povoado de Kenty. Conquistou todos os graus acadêmicos e lecionou em sua principal universidade até à morte. Também foi sacerdote zeloso e fiel aos ensinamentos de Cristo.

Mas a grande preocupação de seu magistério era transmitir aos alunos os conhecimentos “não à luz de uma ciência fria e anônima, mas como irradiação da ciência suprema que tem sua fonte em Deus”.

Mesmo depois de ordenar-se sacerdote continuou a cultivar a ciência. Homem de profunda vida interior jejuava e penitenciava-se semanalmente, ao mesmo tempo que espalhava o amor pelo próximo entre os estudantes e os pobres da cidade. Foi um homem humilde e totalmente disponível ao serviço dos irmãos.

Distinguiu-se sobretudo por sua caridade e humildade. Tinha um cuidado especial para com os pobres, enfermos e órfãos, oferecendo tudo o que possuía e atestando ser esta uma das armas mais preciosas dos cristãos.

Faleceu às vésperas do Natal, em 24 de dezembro 1473.

22/12-SANTA FRANCISCA XAVIER CABRINI

Nascida em 15 de julho de 1850, desde pequena, se entusiasmava ao ler a vida dos santos. A preferida era a do Santo Francisco Xavier, a quem venerou tanto que assumiu seu sobrenome, se auto-intitulando Xavéria.

Ainda jovem ficou órfã. Mas o ofício de professora ajudou-a a manter a vida e cultivar o sonho de ser religiosa. A fragilidade física era a principal barreira. Mas Francisca nunca desistiu do sonho de ser freira.

Passado o tempo, quando já tinha trinta anos de idade, desabafou com um bispo o quanto desejava abraçar uma obra missionária e esse a aconselhou: “Quer ser missionária? Pois se não existe ainda um instituto feminino para esse fim, funde um”. Foi exatamente o que ela fez.

Em 1877 fundou o Instituto das Irmãs Missionárias do Sagrado Coração de Jesus, que colocou sob a proteção de Santo Francisco Xavier. Francisca preparou missionárias dispostas e plenas de fé como ela, para acompanhar os emigrantes em sua jornada para as Américas. Tinham o objetivo de fundar nas terras aonde chegavam, hospitais, asilos e escolas que lhes possibilitassem calor humano, amparo e conforto. Ela própria veio para a América, onde pessoalmente administrou muitas obras sociais.

Madre Cabrini, como era popularmente chamada, morreu em Chicago, em 22 de dezembro de 1917, nos Estados Unidos.

15/12-SANTA NINA OU CRISTIANA

No século IV viveu a escrava Nina, que embora residisse em território pagão, era uma devota convertida do cristianismo. Seu exemplo de vida era tão fabuloso entre os pagãos que estes a chamavam de Cristiana, ou seja, a serva de Cristo.

Sua história confunde dados históricos e fictícios. O certo é que Cristiana era muito procurada pelas pessoas que desejavam conforto espiritual e corporal. Uma das histórias sobre esta jovem nos conta que ela, procurada por uma senhora cuja filha estava gravemente enferma, rezou a Deus e fez com que a menina levantasse da cama sem sinal de dor ou enfermidade.

Mas o grande fato da vida de Cristiana foi sua intervenção na vida de uma rainha da região onde morava. A pobre escrava, reconhecida pelos seus dons de cura, foi levada a presença da soberana, já desenganada pelos médicos. Com uma profunda oração Cristiana clamou a Deus e logo a rainha já estava recuperada.

Também o rei, perdido durante uma tempestade na floresta, lembrou-se de Cristiana e de suas orações, e pediu ao Deus da jovem que o auxiliasse. A tempestade amainou e o rei pode retonar para casa. Nesse instante o rei sentiu a fé invadir seu coração.

A partir da conversão dos soberanos, toda a nação foi progressivamente tomada pela fé cristã. Cristiana instruía o povo, catequizando e ensinando a vida de fé. Depois de uma vida fecunda, Cristiana faleceu em 330.